Artigos e Notícias

Anac autoriza piloto a ser mecânico se tiver 'intimidade' com avião

04/04/2013

 Norma não define 'intimidade' e fala em operações de preservação simples.

Aeronautas temem risco de acidentes; mecânico acha que perderá clientes.
Tahiane Stochero
Do G1, em São Paulo
 
Pilotos podem fazer a manutenção
preventiva das aeronaves (Foto: Victor Marques/Arquivo Pessoal)
 
"Sendo o piloto a pessoa mais próxima da aeronave, tendo um tempo maior de contato com ela, e se tiver conhecimento para fazê-lo, esse profissional tem maior probabilidade de identificar riscos"
Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)
 
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou pilotos esportistas, agrícolas e de planadores ou motoplanadores a realizarem tarefas de manutenção preventiva das aeronaves desde que sejam proprietários do avião ou operem ele com frequência. A decisão não vale para pilotos de linhas aéreas.
 
Segundo a diretriz, publicada no Diário Oficial de 28 de março, para o piloto assumir o papel de mecânico, precisa ter "intimidade" com o avião. Não há na norma, porém, critérios técnicos que definam o termo "intimidade", como quantas horas de voo mensais são necessárias ou regularidade de voos no modelo.
 
"O intuito da regra somente é atingido se o operador tiver intimidade suficiente com a aeronave. Sendo o piloto a pessoa mais próxima da aeronave, tendo um tempo maior de contato com ela, e se tiver conhecimento para fazê-lo, esse profissional tem maior probabilidade de identificar riscos", diz o texto.
 
A decisão foi vista com preocupação por profissionais que atuam na segurança do espaço aéreo ouvidos pelo G1, pois pequenos erros na manutenção podem gerar acidentes. A mudança gerou reclamação também de mecânicos, que acham que podem perder clientes e veem o piloto como não qualificado para as funções.
 
A Anac entende como manutenção preventiva "operações de preservação simples", como troca de óleo e de pequenas partes do avião, limpeza e colocação de graxa nos rolamento das rodas, reabastecimento de fluido hidráulico no reservatório, substituição de lâmpadas, refletores e lentes, reinstalação de telas e filtros, dentre outros.
 
A diretriz deixa nas mãos do piloto decidir se é ou não capaz de executar a tarefa. "Cada piloto deve sempre utilizar de senso crítico, compreendendo e identificando suas limitações de conhecimento e destreza", afirma o texto.
 
Segundo o anuário da agência de 2010, o último a ser publicado, há no país mais de 26,7 pilotos com licença de piloto privado. A mudança vai afetar, porém, apenas pilotos de aeronaves de pequeno porte do qual sejam proprietários ou voem com frequência a lazer ou na aviação agrícola. A Anac informou que "a manutenção preventiva não é autorizada a qualquer piloto, mas apenas àqueles que forem seus proprietários ou pilotos frequentes".
 
"Vejo como um desvio de função. Piloto é formado para voar, o mecânico tem uma função específica. Me parece arriscado misturar funções"
Carlos Camacho, 
do Sindicato dos Aeronautas
 
"Antes, o piloto não podia fazer nada. Era necessário que tudo fosse realizado em uma oficina homologada. Imagina, você está em uma fazenda, longe de tudo, entra poeira, o piloto não podia nem colocar um filtro novo, o que precisava ser feito até para melhorar a segurança"
Nelson Antônio Paim, do Sindicato
das Empresas de Aviação Agrícola
 
Redução de custos na aviação agrícola
 
Segundo o presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), Nelson Antônio Paim, a mudança partiu de um pedido da entidade à Anac diante da dificuldade logística da manutenção de aeronaves, que operam em fazendas e áreas distantes de oficinas.
 
"Esta era uma antiga reivindicação nossa. Na verdade, esta abertura da Anac facilita a operação, pois permite que o piloto possa fazer uma manutenção simples, como limpeza de filtro, troca de vela e de óleo. Não tem nada de complexo nisso, são coisas que o piloto pode fazer e que são até de caráter preventivo, não há risco nenhum” afirma ele.
 
Paim acredita que a mudança reduz custos e melhora o desempenho da aviação agrícola. "Antes, o piloto não podia fazer nada. Se entrava uma sujeira na vela ou tinha que fazer uma limpeza, era necessário que tudo fosse realizado em uma oficina mecânica homologada. Imagina, você está em uma fazenda, longe de tudo, entra poeira, o piloto não podia nem colocar um filtro novo, o que precisava ser feito até para melhorar a segurança", diz.
 
Desvio de função
 
Para o diretor de segurança de voo do Sindicato dos Aeronautas, Carlos Camacho, a mudança gera "acúmulo de funções" pelo piloto, "que nem sempre tem conhecimento técnico para isso". A associação pretende levar o caso para análise do Ministério Público do Trabalho.
 
"Vejo como um desvio de função. Piloto foi formado para voar, o mecânico para fazer manutenção. Me parece arriscado misturar atribuições e confiar a um piloto esportivo tal prerrogativa. Além disso, é preocupante em relação à segurança. Qualquer falha pode gerar um acidente grave", diz Camacho.
 
Já a Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves apoiou a mudança. "É evidente que o proprietário que pilota seu próprio avião não vai colocar a vida em risco. Eu tenho o meu avião há 36 anos. Ninguém conhece ele melhor do que eu", diz George Sucupira, presidente da entidade.
 
Tarefa de mecânico
 
Mecânico de aeronaves há 31 anos e proprietário de uma escola que forma especialistas em manutenção de helicópteros e aviões em São Paulo, Roberto José Ferreira dos Santos acredita que a nova norma fará com que oficinas percam clientes. "Com certeza, vai tirar a mão de obra do mecânico. Estou achando isso um absurdo, está fugindo às capacidades de cada um".
 
"Com certeza, vai tirar a mão de obra do mecânico. Estou achando um absurdo, foge às capacidades de cada um"
Roberto Santos, mecânico
 
Para Santos, as tarefas de manutenção preventiva não são "simples". "Trocar óleo não é algo simples, não. Tem que fazer uma inspeção técnica. O óleo percorreu todo o motor e, ao ser retirado, o mecânico percebe se há algum elemento, algo que indique alguma mudança no avião e precisa ser analisado. Para quem não conhece o sistema, vai passar indiferente", acredita ele.
 
Um relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) aponta que 17,8% dos acidentes aéreos que ocorreram no país entre 2001 e 2011 tiveram falhas de manutenção como fator que contribuiu para a tragédia. Pouca experiência do piloto e falta de instrução são aspectos presentes em 15,5% e 15,1%, respectivamente, dos acidentes com aviões de todos os tipos no período.
 
Quem pode fazer
 
Conforme a Anac, o piloto só pode fazer a manutenção de um avião em que for "operador frequente". Para isso, é preciso que o piloto: 1) tenha licença para operar aquele tipo de aeronave; 2) esteja atuando como piloto em comando ou como copiloto de aeronaves do mesmo modelo e 3) tenha "experiência recente neste modelo de aeronave". Se não for proprietário do avião, o piloto deve ter autorização do proprietário ou da empresa que opera a aeronave para desempenhar a função.
 
Pela nova norma da Anac, o piloto também pode autorizar a aeronave a retornar às operações, desde que a manutenção tenha sido feita por ele mesmo. A manutenção periódica anual e a revisão a cada 50 horas continuam tendo de ser feitas em uma oficina credenciada.
 
O brigadeiro Carlos Lourenço, chefe do Cenipa, disse que estava ciente da nova norma, mas que ainda não havia analisado o texto para verificar se apresentava riscos à aviação. "Cabe à Anac a regulação da aviação civil no país", afirmou.

 

Fonte: G1

Mais notícias

  • 11/11/2014:

    A importância da equipe de solo na redução dos riscos na operação aeroagrícola

    - O desenvolvimento da aviação agrícola brasileira foi intenso nos últimos anos. Isso pode ser  evidenciado pela utilização de novas aeronaves, como o “Ipanema”, com desempenho muito  superior ao do Embraer-200, lançado no mercado brasileiro em 1969. Também foram  incorporadas à frota nacional diversas aeronaves estrangeiras, dentre elas, as aeronaves  turbo-hélice, donas de uma performance notável.   No campo da tecnologia, a adoção do GPS Diferencial (DGPS), que eliminou o sistema  convencional por bandeiras - os “bandeirinhas” -, foi outro avanço que permitiu ganho de  produtividade de diversas formas, com o piloto podendo escolher qual a melhor forma de  aplicação e largura das faixas de deposição.   Porém, tais ganhos de produtividade não podem ocorrer em detrimento da segurança  operacional. Isso criaria situações que podem expor os pilotos a um nível de risco inaceitável,  como realizar curvas (balões) mais apertadas que o recomendado e carregamento da aeronave  com uma quantidade de produtos químicos maior que a capacidade regulamentada.    Uma busca ecaz de produtividade deve ocorrer através de planejamento adequado da  operação, boa estrutura da empresa em termos de segurança operacional e, principalmente,  pela atuação de uma equipe de solo capacitada, nem sempre reconhecida de forma devida.   Para algumas empresas aeroagrícolas – em especial aquelas que não adotaram a cultura de  gerenciamento de risco – o piloto é o principal responsável pelo aumento da produtividade em  termos reais. Porém, contratempos ocorridos no solo, como um simples descuido na mistura de  produtos químicos ou falhas no equipamento de solo, podem afetar o rendimento da operação  como um todo, sem qualquer interferência do comandante.   Para que isso não ocorra é fundamental a participação de pro­ssionais de apoio em solo, como coordenadores (pro­ssional que cuida do relacionamento com os clientes e ordena os locais onde será realizado o trabalho), mecânicos de aeronaves e, principalmente, um pro­ssional subestimado: o ajudante de solo, também conhecido como badeco, secreta, tuco, técnico (variando a denominação conforme a região do País).   Tempo se ganha no chão, com equipe de solo bem treinada   Como exemplo das atividades desenvolvida por esse pro­ssional, podemos citar o abastecimento simultâneo de combustível e produtos químicos. Enquanto o piloto cuida de outros aspectos da operação, o ajudante efetua o referido abastecimento, tornando-se o principal responsável no momento em que realmente se ganha (ou não se perde) tempo – no solo.   Uma das maiores di­culdades desse trabalho é realizar as tarefas no menor tempo possível, para garantir que a aeronave possa decolar rapidamente, atividade que deve ser executada por um pro­ssional treinado, experiente e atento a qualquer anormalidade.   SEGURANÇA OPERACIONAL   Quando se trata de segurança operacional, é o ajudante (da equipe de solo) quem realiza algumas das tarefas essenciais. Mesmo assim, devido à natureza sazonal da aviação agrícola, com o término da temporada de aplicação de defensivos muitos empresários não querem arcar com o custo de manter o ajudante durante a entressafra.   Isso gera uma grande rotatividade no setor, pois na temporada seguinte, será necessário contratar uma nova pessoa para executar essa tarefa, muitas vezes sem treinamento e com pouca experiência. Isso traz ansiedade para todos, devido à perda de produtividade.   O custo de se manter um bom ajudante, ou pelo menos de providenciar a ele algum tipo de assistência e garantir a sua permanência na temporada seguinte, é menor do que as perdas decorrentes e o aumento dos riscos operacionais de se ter um novo ajudante, inexperiente, na empresa.   A segurança operacional deve ser atingida observando todos os aspectos que possam contribuir para os riscos da atividade. O reconhecimento da importância dos ajudantes é fundamental para que possa ser reduzido o tempo perdido em solo, forte componente de pressão ao piloto.   Assegurar uma equipe de solo e­ciente e capacitar o ajudante que acompanha a aplicação aérea, garantindo a ele uma condição adequada de trabalho, são medidas que promovem a segurança operacional e minimizam os riscos na atividade aeroagrícola.   Retirado de: "ANAC - Carta de Segurança Operacional"    Alexandre Derivi Endres Especialista em Regulação de Aviação Civil Chefe da Divisão de Regulação Econômica – DRE Unidade Regional Porto Alegre  

    Leia mais
  • 11/11/2014:

    DIVOP EMB 202 A

    -  Link para divulgação operacional(DIVOP) ANAC EMB 202 A: https://drive.google.com/file/d/0ByYs3jG8afcvbF9Ody15MzRkc28/view?usp=sharing

    Leia mais
  • 15/04/2014:

    Voo agrícola regulamentado

    -  Depois de impasses ambientais, setor privado cria programa que certifica empresas de aviação agrícola; por enquanto 20 cumprem as “regras da sustentabilidade”   Aviões ganham espaço aéreo no agronegócio nas regiões do Centro-Oeste e Centro-Norte brasileiro (foto), onde a geografia facilita o trabalho dos pilotos,  que voam em baixíssimas altitudes.   A frota de aviões agrícolas cresce a passos largos no Brasil. Somente na última década, o número de veículos aéreos destinados aos trabalhos de campo mais que dobrou. Hoje são mais de 1,9 mil unidades registradas no país – 78 estão no Paraná, conforme dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O aumento desse mercado, porém, acendeu um sinal de alerta para o setor, que agora entra na rota da regulamentação. Um programa promovido pela iniciativa privada, em parceria com instituições de ensino, promete certificar empresas que adotarem “boas práticas”. A iniciativa surge após polêmica sobre os danos que a pulverização aérea pode causar ao meio ambiente. Em 2012, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) restringiu a aplicação de quatro princípios ativos por via aérea, que segundo estudos da entidade, elevavam o risco de morte de abelhas. O tamanho das gotas lançadas, a umidade e a movimentação do ar também precisam ser milimetricamente aferidos para evitar contaminação de rios e até de plantações vizinhas. “A aviação agrícola não admite gambiarra”, resume João Paulo Rodrigues da Cunha, professor da Universidade Federal de Uberlândia (MG). Ele faz parte de um time reunido pela a Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (Fepaf) para executar o programa de Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS). Apesar dos riscos existentes, especialistas defendem que, se for bem executada, a atividade pode garantir ganhos técnico e econômico ao campo. Com o avião, não há compactação das plantações e nem do solo, por exemplo, o que segundo Cunha, pode gerar economia de até três sacas de soja por hectare. O número considera a perda em função do “esmagamento” das plantas pelo trator no método convencional. A agilidade na aplicação também pesa a favor dos aviões. Até o momento, 20 empre­­sas que têm licença para realizar esse tipo de serviço foram certificadas pelo CAS, menos de 10% do total. Atualmente, existem no Brasil 227 companhias nesse segmento – 26 delas são paranaenses. “Queremos que 75% do setor [170 empresas] receba essa certi­­ficação até 2017”, revela Ulisses Antuniassi, agrônomo e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que também atua na realização do programa.   Gotejadores acoplados aos aviões precisam ser monitorados constantemente por técnicos com roupas especiais. O processo de certificação do voo agrícola não é obrigatório, mas promete retorno. “Ainda não mensuramos o re­­torno, até porque é muito recente, mas acredito que será um argumento para ganhar mercado”, afirma Bruno Vasconcelos, diretor executivo da Sana Agro Aérea, de Leme (SP), uma das empresas certificadas. A altura de voo é outro fator que pode afetar a eficiência do trabalho – se o avião está em altitude muito elevada o risco de deriva dos agroquímicos é maior. Por outro lado, os voos de baixa altitude elevam as chances de acidentes. Em 2013, foram registrados 38 acidentes aéreos somente durante as operações agrícolas, 10 a mais do que no ano anterior. Venda de aviões para agricultores mantém demanda aquecida O salto na demanda por aviões agrícolas também é reflexo de um aumento no interesse dos agricultores pela atividade. Na Embraer, que detém 62% do mercado aeroagrícola, metade das vendas é feita para pessoas físicas, calcula Fábio Carretto, gerente comercial da empresa. “A ideia de que só grandes produtores possuem aviões é equivocada”, aponta. Agricultores que optaram pelo investimento dizem que o retorno é garantido. Com uma área de 4,7 mil hectares cultivada em Unaí (MG), Theodorus Sanders, fez as contas e concluiu que nem mesmo o aluguel de um avião valeria a pena. “Não é um investimento barato, mas em seis anos ele se paga”, calcula. Os especialistas calculam que o custo médio do serviço de aplicação varia entre R$20 e R$50 por hectare, mais o valor do defensivo. “Com um avião é possível fazer o trabalho de três pulverizadores, e de forma mais rápida”, destaca Leivandro Fritzen que cultiva 12 mil hectares na Serra do Quilombo (Piauí). Carretto destaca que além do crescimento em quantidade, há também um aumento na renovação da frota nacional. No caso da Embraer o carro-chefe das vendas é o Ipanema, um modelo fabricado desde 1972. O avião está na sexta geração, e ao todo foram vendidas mais de 1,3 mil unidades. Ao custo de R$ 950 mil, a última versão do Ipanema oferece a possibilidade de propulsão a etanol, que reduz ainda mais os custos, e permite pulverizar uma área de 100 hectares em aproximadamente uma hora. Processo de certificação envolve três etapas e começa por um cadastro que pode ser realizado pela internet. Nenhuma empresa do Paraná foi certificada até o momento – o estado possui 26 companhias em atuação nesse segmento. Online: O primeiro nível de certificação é obtido eletronicamente, por meio de cadastramento online. Os documentos dos pilotos e técnicos responsáveis pela aplicação são digitalizados e enviados dentro de prazos estabelecidos. O cronograma e o envio podem ser encontrados no site: www.cas-online.org.br   Testes de campo ajudam a aferir tamanho das gotas lançadas nas lavouras e se não há deriva dos produtos químicos. Capacitação: a segunda etapa exige participação em cursos relacionados à área ambiental. A frequência e o desempenho em provas teóricas definirão a certificação. Inspeção: o terceiro nível corresponde a uma inspeção na empresa aeroagrícola para verificar se os preceitos ensinados no curso estão sendo executados, além da checagem da infraestrutura da empresa responsável pela aplicação. 1,9 mil É o número de aviões agrícolas em atividade no Brasil atualmente, conforme dados da Associação Nacional da Aviação Civil (Anac). Segundo maior produtor nacional de grãos, Paraná conta com 4% da frota nacional.   Fonte: http://agro.gazetadopovo.com.br/noticias/tecnologia/voo-agricola-regulamentado/    

    Leia mais
VEJA TODAS AS NOTÍCIAS...